Skip to content

Informativos Técnicos

Bacillus thuringiensis e proteínas Cry

O emprego de Bacillus thuringiensis (Bt) é altamente desejável em programa de controle de insetos que atacam diversas culturas, devido a sua alta especificidade, eficiência e degradação no ambiente.

A atividade da bactéria B. thuringiensis é devido à presença de esporos e cristais (denominadas proteínas Cry) que são produzidas durante o processo de fermentação (crescimento) da bactéria. Estas proteínas Cry, apresentam um amplo espectro de ação, com atividade para diversas ordens de insetos (Lepidoptera, Diptera, Hymenoptera, Coleoptera), nematóides, ácaros e protozoários. Isolados de Bt e/ou bioinseticidas à base desta bactéria têm ação patogênica contra mais de 1.000 espécies de insetos, destacando-se os lepidópteros com 572 espécies suscetíveis (POLANCZYK & ALVES, 2003).

A maioria dos bioinseticidas, utilizados para controlar pragas agrícolas disponíveis no mercado é composta por formulações de cepas de B. thuringiensis kurstaki HD1. O BAC CONTROL e as demais marcas comerciais (WINNER MAX, TARIK, BAC CONTROL MAX e STREGGA) produzidas pela VectorControl são obtidas a partir da cepa B. thuringiensis kurstaki HD1.

Nessa cepa foram identificadas as seguintes proteínas Cry: Cry1Aa, Cry1Ab, Cry1Ac, Cry2Aa e Cry2AB, responsáveis pela ação inseticida.

Tabela 01. Principais cepas de B. thuringiensis e proteínas Cry presentes em produtos comerciais

Tabela 02. Suscetibilidade de insetos alvos as principais proteínas Cry

* Até o momento não foram encontrados testes com essas proteínas.

Figura: Microscopia eletrônica do cristal proteico de B. thuringiensis. Sendo Cry (cristal): E (Esporo) aumento de 20.000x . Fonte: Documentos Embrapa 239, 2007.